domingo, 25 de abril de 2010

O Prédio de Medicina o Dinheiro do TSD - O RETORNO

Relembrando...

"Na semana retrasada, tivemos notícia de que a Administração Central havia enviado um ofício à Faculdade de Medicina da Bahia requisitando um plano de retirada das “atividades acadêmico-administrativas” do pavilhão de aulas da FAMEB do Canela. (...) Desde 2004, avaliando que o curso de Medicina da UFBA não ia bem, foi enviado um documento, reunindo as falhas do curso de Medicina, para todas as instâncias cabíveis, incluindo o MEC e a Reitoria. Chegou-se até mesmo a cogitar a diminuição das vagas de Medicina. No entanto, nada foi feito. Em 2008, graças ao boicote ao ENADE que os estudantes realizaram, uma Comissão de Avaliação do MEC foi enviada para a FMB e chegou às mesmas conclusões, redigindo um Termo de Saneamento das Deficiências (TSD), no qual estão listados os problemas do curso. Após muita briga, conseguimos que o MEC se responsabilizasse e garantisse o envio de 2,5 milhões (apenas parte dos 3,5 milhões que precisávamos). Só que essa verba só vem se realizarmos um Plano de Trabalho de aplicação do dinheiro. Foi então instituída uma Comissão para elaboração desse Plano de Trabalho. O problema é que essa Comissão não pode terminar o Plano de Trabalho porque os arquitetos da UFBA se recusaram a entregar os projetos de reforma do Pavilhão de Aulas, dizendo, em conversa de corredor, que o Pavilhão agora não era de Medicina e sim de Saúde! Assim, estamos correndo o perigo de NÃO RECEBER A VERBA!"
(Trecho do jornal Sinais Vitais do DAMED, lançado em Setembro de 2009)



Vídeo do ato dos estudantes de medicina na frente da reitoria, exigindo a manutenção do prédio como de Medicina e a aplicação imediata do dinheiro do TSD:

video



O Passo a Passo dos fatos: http://damedparticipe.blogspot.com/2010/03/passo-passo.html

Visita da comissão: http://damedparticipe.blogspot.com/2010/03/no-dia-15-de-marco-esta-ultima-segunda.html

E AGORA?
O QUE ESTÁ ACONTECENDO?

  • Desde 26/02/2010, ainda não houve NENHUMA reunião ordinária do Conselho Universitário e, portanto, as pautas do expediente da Universidade (as questões pendentes de discussão e aprovação, como a nossa por exemplo) não estão sendo decididas. As reuniões extraordinárias que aconteceram até agora (que por serem extraordinárias são convocadas por questões específicas e não se pode acrescentar outras) não discutiram a questão do nosso prédio.
  • E quanto aos 2,5 milhões para melhorias na nossa faculdade? A parte que nos cabia do projeto a ser enviado ao MEC já está pronta. Ainda estamos esperando a decisão do CONSUNI e a liberação das plantas do projeto de reforma do Prédio pelos arquitetos da Administração Central para então este ser submetido ao MEC, ser aprovado e o dinheiro começar a ser aplicado.
  • A questão é que esses problemas para o envio do projeto se iniciaram em Agosto de 2009 (data do ofício da Adm. Central exigindo as retiradas das atividades da FMB do pavilhão) e, até agora, não foram resolvidos. E a verba que conseguimos corre o risco de voltar!

OS PRÓXIMOS CAPÍTULOS DESSA NOVELA DEPENDEM DE NÓS!